domingo, 17 de março de 2013

Sobre tatuagens e a degradação dos valores

O que a humanidade está fazendo consigo mesma no mundo ocidental?

O que é essa moda de tatuagem que assola o mundo? O corpo deixou de ser íntimo e pessoal para se tornar uma tela ambulante. Parece que cada vez mais pessoas ostentam uma, duas ou vinte e duas tatuagens. E essa moda não se restringe a um país, a um grupo étnico ou a uma religião - ela atravessa fronteiras e países, atingindo ricos, pobres, gordos, magros, homens, mulheres, brasileiros, americanos, alemães, espanhóis... em todos os lugares, todos estão marcados.

Esse orgulho em emporcalhar o corpo é, no mínimo, bastante difícil de explicar. O corpo não deveria ser um repositório do nosso "eu"? Não vou nem entrar no mérito do que a Bíblia ou as principais religiões monoteístas dizem sobre o assunto. Entretanto, fico pensando se a tatuagem não seria, na prática, um anátema, pois, ao mesmo tempo e que oculta a personalidade da pessoa por trás de uma autoflagelação, também rotula quem se tatua e a relega a uma classe ou categoria específica de pessoas.

A tatuagem, que, em determinado momento, parecia ser uma prática em vias de extinção, voltou sedenta de vingança. Há uma paixão cega e delirante por elas, e não há limites para o que vemos desenhado ou escrito nesses verdadeiros filmes. Desde as fantásticas e alegóricas até o puro e simples grotesco, toda a gama da imaginação infantil se desnuda diante de nós. O decoro (esse conceito démodé) foi jogado na lata do lixo. Será que quem se tatua pretende expor um argumento sem precisar abrir a boca, pôr a nu seu verdadeiro "eu", sua identidade e sua personalidade, enfim, aquilo que faz cada um de nós um ser humano distinto, complexo e interessante? Certos grupos (índios, africanos, entre outros), pintam seus corpos e/ou rostos para uma finalidade específicas, normalmente de natureza ritual. Entretanto, ficar para sempre marcado com uma mensagem ou um desenho se compara a usar as mesmas roupas ou aferrar-se à mesma visão de mundo por toda a vida. Se pensarmos nisso com calma, é uma baita maldição, pois devemos evoluir, nos acrisolar, e refinar nossa maneira de ser ao longo do tempo, mesmo sob pena de contradição.

Normalmente são os jovens que se embriagam com essa postura embotada, e, às vezes, isso pode ter um significado de desafio e provocação, mas quase sempre se trata de um ato irrefletido.

Em tempos d'antanho, uma tatuagem significava algo. Era uma marca, um sinal que diferençava quem a envergava. Era necessário merecê-la, como um distintivo de coragem ou ousadia, e, na maioria das vezes, eram características de marinheiros ou presidiários. Normalmente, a pessoa carregava apenas uma, simbolizando um amor perdido, a pista de um tesouro enterrado ou alguma outra coisa extravagante. Havia mistério por trás das tatuagens; havia uma história. Hoje em dia, não mais. Hoje, as tatuagens são como construções modernas: pêle-mêle, confusas, feias tout court.

Quando algumas práticas entram na moda, normalmente a idéia ou a motivação original por trás delas perde todo o sentido e a finalidade, gerando exatamente o oposto da intenção primeira. Essa moda perpétua, contudo, anula a si mesmo. Algumas pessoas amadurecem e se dão conta de que aquilo que consideravam original ou exclusivo em um determinado momento perdeu o encanto ou o atrativo. E isso é ainda mais verdadeiro nestes tempos em que os prazeres imediatos são a norma.

Enfim, queiramos ou não, assim como a lei da gravidade age, tatuagem não é uma coisa bonita de se ver.

quinta-feira, 7 de março de 2013

Depressão: o que é e de que se alimenta?

Depressão é assunto popular, de modinha. Aliás, é in, é cool, se apresentar como uma pessoa deprimida. Sujeito ganha carinhos e afagos automaticamente.

Para muita gente, a depressão é conseqüência de um desarranjo bioquímico do organismo. Claro que é. Entretanto, essa conseqüência é o resultado de um antecedente: desânimo existencial. É preciso que haja um mecanismo de ordem emocional para que surja a depressão na vida diária de uma pessoa.

"Ah, John, mas e o idoso?" O idoso, por estar perto do fim, tem uma consciência mais aguda da sua finitude, e isso provoca a depressão. Por isso é importante que a pessoa esteja intensamente envolvida com alguma atividade, seja ela qual for, e independentemente da idade.

Quando a pessoa está intensamente e realmente motivada por alguma coisa, ela não se deprime.

Ouço pela aí que jovens na flor da idade apresentam crises depressivas. Nada mais natural. É o resultado da percepção do vazio que são suas vidas. Eles têm a certeza de que suas atividades não lhes preenchem. Isso abre as portas para a depressão, a qual leva a toda sorte de desatino.

É isso aí, meus filhos: quando a pessoa está ativa, motivada, entusiasticamente ligada a alguma coisa, não há tempo para a depressão. A depressão é o resultado de um mecanismo deflagrador de ordem emocional. Por isso, dependendo da gravidade da depressão, é preciso, sim, um tratamento bioquímico, mas também a psicoterapia. Sem a psicoterapia, a pessoa jamais conseguirá ver o que de fato a arrasta para a depressão. O resto são interesses escusos dos grandes laboratórios internacionais e de médicos inescrupulosos.

Coréia do Norte ameaça mandar o armistício pro espaço

A "riscada de faca" da Coréia do Norte está deixando o mundo pouco inquieto. O mundo inteiro, menos Obama, aparentemente.

Os líderes norte-coreanos anunciaram na terça-feira que estão dispostos a se livrar do armistício da Guerra da Coréia (1950-1953). Trata-se de uma reação aos planos dos EUA e da Coréia do Sul de realizar exercícios militares com a duração de dois meses.

O regime de Pyongyang também afirmou que vai cortar suas "linhas diretas" com a Coréia do Sul e com os EUA se os exercícios militares não forem cancelados.

O que a Coréia do Norte não consegue reconhecer é que suas ações de agressão durante a fase de ascensão do ditador de plantão Kim  Jong-Un deixaram o Ocidente  meio "cozido". Marinheiros sul-coreanos foram mortos em um ataque surpresa da Coréia do Norte há mais de um ano. Além disso, uma instalação insular próxima a Seul (capital da Coréia do Sul) foi repentinamente bombardeada.

A China e a Rússia indicaram que ficarão ao lado dos outros países do Conselho de Segurança da ONU para impor sanções ao beligerante regime norte-coreano. Entretanto, mesmo com uma resolução da ONU, que usou palavras pesadas, a China e a Rússia mui provavelmente apoiarão os norte-coreanos, como sempre fizeram. Isso mantém os EUA e seus aliados Japão e Coréia do Sul com sua atenção voltada para um regime ermitão, ignorando as ações chinesas e russas, e isso já funcionou em outros tempos.

Os EUA continuam usando a ONU para castigar a Coréia do Norte, mas, devido à péssima política interna de Obama, o país não é capaz e não está disposto a reagir com firmeza aos testes nucleares norte-coreanos. Em vez de agir, o verborrágico presidente tem concentrado a maior parte do seu capital político no confisco e no aumento de impostos, ao mesmo tempo em que culpa os Republicanos. O confisco sempre foi a idéia de Obama, mas ele jamais vai admitir isso.

quarta-feira, 6 de março de 2013

A morte de Chavez gera chuva de encômios da mídia

Quando começou a correr o mundo a notícia da morte do presidente-ditador comunista Hugo Chávez, a grande imprensa esquerdista revirou os olhinhos, desmanchando-se em encômios ao populista Venezuelano recém-defunto.

Chávez, morto aos 58 anos de idade, deteve o poder e oprimiu seu povo para implementar sua visão de um "Estado Bolivariano", fazendo eco aos dias de glória da Venezuela e da América Latina comandada por Simon Bolívar. A Reuters publicou fotos do ditador morto com o título "As frases mais memoráveis de Chávez" e um artigo intitulado “A morte d Chávez deixa vácuo esquerdista na América do Sul”, como se fosse ruim que o populismo esquerdista de Chávez ficasse sem um líder. O deputado norte-americano José Serrano (um Democrata que representa o distrito Bronx South na cidade de Nova Iorque) tuitou seu elogio a Hugo Chávez com as seguintes palavras:


"Hugo Chávez foi um líder que entendia as necessidades dos pobres. Ele se empenhou em dar poder aos sem-poder. Descanse em paz, Sr. Presidente.

O ex-presidente norte-americano Jimmy Carter disse que todos deveriam se lembrar de Chávez, e lembra "seu legado positivo" de redistribuição socialista da riqueza. Pena que Jimmy não falou das estatísticas estratosféricas de criminalidade que acompanharam o trabalho de redistribuição.

A manchete da Associated Press dizia: “Mesmo após a morte, Chávez tem a opção do sucessor” e indica que a influência de Chávez se sente d'além-túmulo.

Nicolás Maduro, vice-presidente e herdeiro nomeado de Chávez, está pronto para concorrer contra o principal líder oposicionista Henrique Capriles. As pesquisas indicam que Maduro está liderando, mas Capriles acusou os institutos de pesquisas de um viés pró-Maduro.

Não é ridículo? Ou seria apenas a inclinação da grande mídia posta em prática?

segunda-feira, 4 de março de 2013

Um papa socialista negro após um presidente socialista negro